Retrospectiva 2019 – Futebol feminino

(Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

O ano de 2019 marcou o retorno do futebol feminino profissional do São Paulo, afinal as categorias de base do feminino retornaram, e os resultados vieram para a equipe são-paulina na temporada.

VEJA TAMBÉM ⇒ A retrospectiva do voleibol em 2019

Na retrospectiva do futebol feminino falaremos tanto do desempenho no profissional quanto na base, mas as categorias de base terá um espaço exclusivo no fim da retrospectiva.

Montagem do elenco

O São Paulo foi para o mercado do futebol feminino precisando construir um time do zero. Sob comando do jovem técnico, Lucas Piccinato, ex-Centro Olímpico, o Tricolor mesclou entre experiência e juventude.

Nomes de experiência como a goleira Rubi com a juventude de Carlinha, as laterais Giovana, Zizi, Natane e Giovana, com as jovens Bruna Cotrim, Rayane, Kathleen, no meio de campo com Cris, Driely, Dynneffer e Chaiane como ‘experientes’, e as jovens Ary Borges, Andressa e Iara. No ataque as experientes Cristiane e Giovânia, mas as jovens Ottilia, Jaqueline e Valéria foram as principais responsáveis pelo comando ofensivo.

Primeiro semestre

O futebol feminino teve início somente em março, foi simultâneo para Brasileirão e Paulistão.

No Nacional, o São Paulo entrou na A-2, segunda divisão, no Grupo 6 com Chapecoense, América Mineiro, Duque de Caxias, Vila Nova-ES e Botafogo-RJ. Foram 5 jogos no grupo, 5 vitórias, liderança, 26 gols feitos e apenas um sofrido.

No Paulistão, o São Paulo esteve no difícil grupo com Ferroviária, Ponte Preta, Palmeiras, Audax e Inter Franca. E liderou, foram 10 jogos, 6 vitórias, 4 empates, com 19 gols feitos e 7 sofridos.

Ainda no primeiro semestre, ocorreram as oitavas de final do Brasileirão A-2, duas vitórias do São Paulo sobre o Botafogo-PB, fora de casa por 2 a 0, e em casa por 4 a 0.

O descaso no começo de temporada. (Foto: @Ma_azevedo17)

Pausa para a Copa do Mundo Feminina

Depois da primeira fase e oitavas do Brasileirão A-2, e da primeira fase do Paulistão concluídos, em junho, o futebol feminino parou para ver a Copa do Mundo que foi um sucesso.

Cristiane, principal reforço do São Paulo, representou a seleção brasileira, e foi decisiva na primeira fase. A atacante chegou no Tricolor com grandes status, mas pouco jogou antes da Copa, devido a lesões, focou na preparação para o Mundial.

(Foto: Getty Images/FIFA.com)

O retorno com jogos decisivos no Brasileirão

A volta em julho foi frenética, decisões contra o Taubaté nas quartas de final do Brasileirão Feminino A-2, a primeira derrota do time no ano, 1 a 0 para o Taubaté, em casa. Mas na volta, o time são-paulino fez 3 a 0, e venceu o rival, o que mais deu trabalho para o time na temporada, foram jogos tensos, valeu o acesso para a elite do futebol feminino em 2020!

Com o acesso garantido, o desafio na semifinal foi com o rival Palmeiras, e foram jogos complicados. Na ida, o São Paulo fez 1 a 0 no Pacaembu, na volta em jogo truncado, disputado, e emocionante, a partida ficou 1 a 1, era o São Paulo na decisão!

Na decisão do Brasileirão Feminino A-2, o São Paulo encarou o Cruzeiro, e goleou por 4 a 0 na ida no Pacaembu, definindo assim o título, teve jogo de volta, mas sem grandes emoções, empate por 1 a 1, era o São Paulo campeão!!

Decisões no Paulistão

Em meio ao mata-mata do Brasileirão, ocorreu apenas três jogos da segunda fase do Paulistão, o Tricolor esteve no Grupo 3 com Santos, Palmeiras e São José. Em 6 jogos, o São Paulo venceu 3, empatou 2 e perdeu 1. A derrota foi para o Santos, fora de casa, e decidiu a liderança para o rival santista. Enquanto o Tricolor eliminou novamente o Palmeiras ao vencê-lo por 2 a 0 na última rodada.

Com o time garantido na semifinal, o desafio era com a tradicional equipe do Santos, que já tinha batido o São Paulo em um jogo na fase anterior. Pois em dois jogos emocionantes, o primeiro 3 a 2 para o São Paulo, com empate aos 87′ e virada aos 90′, depois na volta o Santos abriu 2 a 0 no primeiro tempo, a equipe são-paulina diminuiu no fim da primeira etapa e empatou no começo do segundo tempo, garantindo assim a vaga na final.

(Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

Copa Paulista

Com a vida garantida no Brasileirão e no Paulistão, ocorreu um curto torneio estadual, a Copa Paulista, o São Paulo goleou o Juventus na semifinal, vitória por 4 a 1 fora de casa, e 3 a 0 em casa.

Na decisão perdeu para o Palmeiras, 2 a 1, foi a primeira derrota para o rival que o São Paulo já tinha eliminado no Estadual e no Brasileiro.

Majestoso decisivo no Estadual

Depois de muito tempo, quase 8 meses de competição, a tão esperada decisão do Paulistão chegou. O São Paulo perdeu a ida dentro do Morumbi com mais de 10 mil pessoas presentes, por 1 a 0.

VEJA ⇒ São-paulinas e o técnico Lucas Piccinato na seleção do campeonato

Na volta, o Corinthians lotou o Itaquerão, público recorde no futebol feminino, e acabou ganhando do São Paulo por 3 a 0.

O ano na base

Com time sub-16 e sub-18, o São Paulo teve um excelente ano nas categorias de base do futebol feminino.

Em maio, a equipe feminina sub-17, foi campeã da primeira edição da Copa Nike Feminina. Bateu Chapecoense, Ferroviária, Centro Olímpico, Internacional, e por fim o Santos na decisão por pênaltis.

No meio da temporada, o Tricolor perdeu para o Santos e foi vice-campeão da Copa Gevi. A primeira fase tinha sido a melhor campanha com 7 vitórias em 7 jogos, tirou o Mogi na semifinal, mas perdeu para o rival na decisão.

Em bom desempenho, o São Paulo chegou na decisão do Brasileirão Feminino sub-18. Bateu Cruzeiro, Botafogo e Ponte Preta (8×0) em jogos de ida e volta na primeira fase, depois superou Fluminense e Vasco, empatou com Inraduba na segunda fase. Chegou na semifinal contra o Santos, empatou a ida por 1 a 1, e venceu por 4 a 1 no returno. Na disputa pelo título, o Internacional, vitória gaúcha na ida, 1 a 0, e na volta empate em 1 a 1 no Pacaembu.

Foto: Igor Amorim

Na Copa Desenvolvimento Sul-Americano, o São Paulo bateu Criciúma, goleou Grêmio (7×0) e empatou com o Inter na primeira fase, mas caiu para a Chapecoense na semifinal, 1 a 0. E foi parar no terceiro e quarto, onde superou o Fluminense.

Logo teve o Paulistão Feminino sub-17, o São Paulo bateu o Santos na Rua Javari, 3 a 1, a equipe são-paulina venceu os 12 jogos na primeira e segunda fase, depois empatou com Ferroviária na ida, 1 a 1, e venceu a volta por 2 a 0. Na decisão superou o SanSão!

Para fechar a temporada do futebol feminino, o novato Brasileirão sub-16 ocorreu em dezembro, e foi tiro curto. A equipe são-paulina superou São José e Grêmio, mas perdeu para o Vitória no grupo. Goleou a Ferroviária, por 6 a 1 na semifinal, já na decisão, adivinha? Duelo contra o Santos, mais um, e em jogo duro, vitória por 1 a 0, mais um título!

(Foto: CBFTV)

Desempenho geral

O São Paulo fez 36 jogos no futebol feminino profissional em 2019, foram 22 vitórias, 9 empates e 5 derrotas. A equipe marcou 81 gols e sofreu apenas 25. Nas três competições que disputou, foi para a final, venceu o Brasileirão Feminino A-2, e ficou com o vice do Paulistão e da Copa Paulista.

CONFIRA ⇒ Para 2020 já tem muitas mudanças no elenco feminino

Considerando apenas o Brasileirão sub-18, o São Paulo atuou em 13 jogos, venceu 9, empatou 3 e perdeu 1, marcou 33 gols e sofreu. No sub-16 considerando o Brasileirão da categoria, foram apenas 5 jogos, 4 vitórias e uma derrota. Foram 11 gols marcados e 2 sofridos.

Na base, o São Paulo conquistou o Paulista sub-17, a Copa Nike e o Brasileirão sub-16, ficou com o vice do Brasileirão sub-18 e a Copa Gevi, ainda a terceira colocação no Desenvolvimento Sul-Americano.

Fábio Martins (@fbiomartins1)

Fábio Martins

Formado em jornalismo, ADM do SPFC 24 Horas desde 2012 e principal responsável pelo site e redes sociais desde 2014. Twitter: @fbiomartins1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: