Retrospectiva 2019 – Basquetebol Masculino

Reprodução/LNB

2019 foi um ano de aceitação e prática de um projeto que teve seu início em dezembro de 2018, onde o São Paulo enfim teria um time de basquete, se juntando a Flamengo, Corinthians e Botafogo. O primeiro ano do tricolor com a bola laranja foi totalmente positivo, com singelas conquistas e um novo entretenimento para a torcida. Nessa retrospectiva vamos citar todos os principais momentos do time são-paulino durante a temporada.

PREPARAÇÃO PARA A LIGA OURO

O São Paulo foi uma das últimas equipes a confirmar participação na Liga Ouro 2019, a divisão de acesso para o NBB, principal competição nacional. Com a confirmação do projeto quatro meses antes do início da temporada, o tricolor foi desesperadamente para o mercado, já que havia pouco tempo para montar um elenco completo e buscar uma boa comissão técnica. O primeiro reforço foi o experiente treinador Cláudio Mortari, que escolheu a dedo a montagem do elenco e contou com apenas nove jogadores, sem realizar pré-temporada com o time. Os atletas que iniciaram a competição eram: Thiaguinho, Igor Araujo, Lucas Brito, Danilo Penteado, Ted, Drudi, Anderson Rodrigues, Sidão e João Vitor. Durante o torneio, novos reforços chegaram, e já na terceira partida, o São Paulo anunciou um trio de estrangeiros, são eles: Deonta Stocks, Jalen Jones e Kyle Benjamin

Como dito no último tópico, o São Paulo não teve pré-temporada e iniciou a competição com um time montado as pressas, uma pequena falha no planejamento. O tricolor mandaria seus jogos no seu moderno Ginásio do Morumbi, e de início foi um sucesso. Cláudio Mortari contava com um trio com bastante poderio ofensivo, o pivô João Vitor e os americanos Jones Stocks

FOTO: Igor Amorim / saopaulofc.net

O São Paulo iniciou no campeonato com duas vitórias seguidas contra UNIFACISA e Cerrado, ambas fora de casa. Na estréia do tricolor em seu Ginásio, viu a primeira e única derrota em casa em toda Liga Ouro, sofrendo um revés para o Campo Mourão em uma das partidas mais disputadas da competição. No decorrer do torneio, o time são-paulino manteve uma superioridade em casa, conquistando 6 vitórias em 7 jogos jogando em seu patrimônio. Fora de casa, houveram problemas, ainda mais quando o mando de quadra foi trocado com Rio Claro após o clube alagar devido a fortes chuvas na capital e ser impossibilitado de receber jogos. O retrospecto longe do Morumbi foi negativo, apenas 3 vitórias em 7 jogos.

Com 9 triunfos na temporada regular, o São Paulo terminou na segunda colocação e se classificou direto para as semi-finais da Liga Ouro, onde enfrentaria o Campo Mourão, que havia vencido o Rio Claro nas quartas de finais. Em uma série de 5 jogos, o tricolor bateu três vezes o Campo Mourão e se garantiu na final da competição, onde enfrentaria a UNIFACISA. Na final, o resultado não agradou a torcida são-paulina. O time de Cláudio Mortari viu a equipe paraibana conquistar o título dentro do Morumbi, garantindo vaga direta no NBB.

Mesmo com o revés na final, a campanha na Liga Ouro 2019 foi satisfatória e produtiva. O São Paulo fez uma boa temporada, levando em conta que era uma equipe montada totalmente do zero, sem pré-temporada e com as estrelas chegando apenas durante a competição. O entrosamento não existia, a equipe tinha altos e baixos e as rotações não encaixavam na maior parte dos jogos. A ida para a final foi conquistada na raça e na individualidade. O torcedor fez sua parte durante todo o torneio, comparecendo na maior parte dos jogos e lotando o Ginásio do Morumbi em diversas partidas.

Foto: Divulgação Twitter São Paulo FC

REFORMULAÇÃO:

Após a derrota para a UNIFACISA na final da Liga Ouro 2019, o São Paulo perdeu a chance de conquistar uma vaga para o NBB, mas aproveitou a saída do Joinville da competição e comprou uma franquia, garantido assim, o acesso a principal divisão nacional. Os valores da aquisição não foram divulgados, mas o tricolor já havia montado seu elenco antes mesmo de saber se disputaria o torneio nessa temporada.

Com um plano de reformulação total, foram dispensados os atletas Stocks, Lucas Brito, Thiaguinho, Ted, Drudi, Benjamin, Rodrigues e João Vitor. Os únicos jogadores do elenco da Liga Ouro que tiveram seus contratos renovados foram os alas Jalen Jones e Danilo Penteado e o armador Igor Araujo. O pivô Sidão ainda tem seu contrato garantido, ele vem tratando de uma lesão e não pode ser dispensado, mas não está inscrito no NBB. Além dos remanescentes, o São Paulo anunciou oito reforços para a disputa do Campeonato Paulista, com muitos nomes de peso. As principais contratações foram das estrelas Shamell, o maior cestinha da história do NBB. Georginho, que já chegou a atuar pelo Houston Rockets da NBA e Holloway, que já faturou o prêmio de MVP da competição. Jefferson William, que era considerado um dos melhores alas/pivô da liga e Renan Lenz, um dos melhores pivôs, também foram nomes importantes que viriam para garantir a titularidade. Com um nível técnico menor, mas mesclando experiencia e juventude, as outras mexidas do tricolor foram protejadas com o armador Cassiano e os pivôs Douglas Kurtz e Mamedes. 

A comissão técnica foi mantida, houveram apenas alguns ajustes na preparação física e na equipe de análises, mas Cláudio Mortari e seu assistente técnico Enio Vecchi continuaram no comando do tricolor paulista.

Foto: São Paulo FC.net

CAMPEONATO PAULISTA

O São Paulo enfrentou um grupo dificílimo, que contava com equipes tradicionais do NBB como Mogi, Pinheiros e Franca, além de Osasco, Liga Sorocabana e América, times com camisa na capital e mais frequentes no torneio. Apesar dos embates, o tricolor terminou a primeira fase com um bom retrospecto, garantindo 8 vitórias em 12 jogos, batendo de frente com Pinheiros e Mogi, mas não conseguindo capitalizar o poderoso Franca. Com uma primeira fase cheia de altos e baixos, o time de Cláudio Mortari se classificou apenas para as oitavas de finais.

Já nas oitavas, o São Paulo se mostrava mais entrosado e com mais cautela no jogo ofensivo e defensivo, mostrando um basquete mais coletivo do que o apresentado na primeira fase. O tricolor paulista viajou até São João da Boa Vista, interior do estado, para enfrentar a UNIFAE em uma melhor de três, bastava vencer dois jogos e a vaga nas quartas de finais estaria garantida, e foi o que aconteceu, com um triunfo fora de casa por 86 a 72 e um em casa por 97 a 71, o próximo adversário seria o Bauru, pelas quartas de finais.

Na fase seguinte, o São Paulo encarou o Bauru novamente em uma melhor de 3. O tricolor se saiu vitorioso na série, vencendo o primeiro jogo em casa e o terceiro fora, que foi forçado após derrota no segundo duelo. O destaque ficou por conta de Georginho de Paula, que anotou mais de 30 pontos em 2 das 3 partidas e também pela virada sensacional do time são-paulino durante o embate decisivo. Os placares com triunfos foram de 89 a 83 e 93 a 87. O revés foi favorável ao Bauru por um placar de 71 a 68. Com a classificação garantida, o duelo da vez seria contra Franca, uma série difícil contra o então atual campeão paulista e vice-campeão do NBB.

Contra Franca, deu a lógica, o São Paulo foi eliminado precocemente com duas derrotas, uma em casa e uma fora de casa. No Morumbi, o tricolor foi derrotado por um placar de 89 a 77 e fora, no Pedrocão, saiu com um revés de 92 a 88, sofrendo uma virada espetacular após estar vencendo por mais de 20 pontos. Com as duas derrotas, o time de Cláudio Mortari foi eliminado do Paulista.

Reprodução SPFC Basquetebol

NOVO BASQUETE BRASIL – NBB

Com a eliminação no Campeonato Paulista e com a preocupante lesão de Desmond Holloway, o São Paulo precisou ir ao mercado para repor peças e disputar a competição nacional em alto nível. As contratações foram feitas com cautela e com muita precisão, sendo reforços completos que viriam para ajudar na rotação. O ala Léo Meindl, atual cestinha do tricolor no NBB e o experiente pivô Murilo Becker, que foram fundamentais para a boa campanha no primeiro turno da competição.

O São Paulo fez um bom início de NBB, vencendo o Corinthians na estréia e o São José logo em sequencia. A primeira derrota são-paulina foi em casa, para o Mogi, na terceira partida. Mesmo com alguns altos e baixos durante o começo, o tricolor conseguiu crescer em jogos decisivos e emplacar boas atuações contra equipes de camisa. O time de Cláudio Mortari venceu com propriedade o Flamengo e o Botafogo, ambos fora de casa.

Três das quatro derrotas do São Paulo foram melancólicas, perdendo em casa para Minas, UNIFACISA e Rio Claro, mas conquistando uma vitória contra o Brasília e o Basquete Cearense, mesmo sem sua torcida (que foi punida em portões fechados por uma partida em detrimento das confusões contra Minas). Para compensar a falta de resultados dentro do Morumbi, o tricolor fez sucesso fora de casa, vencendo equipes tradicionais como Franca, Bauru, Paulistano. O time de Cláudio Mortari encerrou sua participação no primeiro turno do NBB com uma vitória contra Pato Basquete, somando 11 triunfos e 4 derrotas no torneio e terminando na terceira colocação, assim, enfrentando Minas no Super 8, que terá início no dia 4 de janeiro.

São Paulo
Foto: São Paulo FC/Instagram

PANORAMA GERAL:

2019 foi espetacular para o basquete do São Paulo, um ano que apesar de ter terminado sem títulos, trouxe muita alegria em todos os campeonatos disputados pelo tricolor. Foram grandes resultados na Liga Ouro, chegando até o jogo 5 da final, com casa cheia em praticamente todos os jogos dos playoffs e mesmo com o vice-campeonato a torcida continuou apoiando o time. Com a reformulação, parte dos torcedores precisaram se adaptar aos novos jogadores, já que tinham criado um apego especial com os atletas que disputaram a Liga Ouro. Durante o Paulista, o público não foi muito bom, crescendo em alguns jogos decisivos e nos playoffs, mas nada comparado a média que obteve enquanto jogava a divisão de acesso para o NBB.

Já no NBB, a torcida criou um carinho enorme pelo Georginho de Paula, fazendo fila para tirar foto com o jogador e ecoando gritos de MVP durante os jogos. No decorrer da competição, Renan Lenz, Shamell e Léo Meindl, especialmente o último, cairam nas graças dos espectadores. Além do apreço pelas estrelas do elenco, os torcedores sempre pedem a entrada dos jovens como Cassiano, Igor, Danilo e Mamedes.

Mesmo com um ótimo primeiro turno, o São Paulo não teve um bom retrospecto em casa, terminando com 50% de aproveitamento em 8 jogos no Ginásio do Morumbi. Mesmo com essa inconstância em seu patrimônio, os jogos dentro de casa tem atraído geralmente um bom público, principalmente em jogos realizados no fim de semana. A impressão que fica é que cada vez mais o torcedor vai se adaptando ao esporte, mesmo com a falta de marketing, comunicação e falha no planejamento.

A expectativa para 2020 é bastante alta. É esperado uma boa campanha no Super 8 e também finalizar a primeira fase do NBB no G4, garantindo vaga nos playoffs da principal competição nacional. Em seu primeiro ano com a bola laranja, o São Paulo, mesmo com altos e baixos, conquistou seus objetivos e atendeu a todas as expectativas impostas.

Foto: Fábio Martins/SPFC 24 Horas

Diego Marcondes (@DiegãoM25)

Diego Marcondes

17 anos. Amante de basquete e são-paulino. Um dos percusores do Arremesso Tricolor. Também colaboro em Jumper Brasil e BasCast Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: