Análise do adversário – Vasco da Gama – 17ª rodada

(Foto: Reprodução / Twitter Oficial Vasco)

Depois de atuar pela Sul-Americana, o São Paulo volta a campo neste domingo (5) e o desafio será contra o Vasco da Gama no Estádio do Morumbi, mais um clássico Rio-São Paulo, este válido pela 17ª rodada do Brasileirão 2018.

Mesmo com o fim de 2017 acima das expectativas, quando conquistaram vaga na Copa Libertadores, o ano de 2018 não tem sido dos melhores para o Vasco, começou com derrotas no Estadual, mas focado na pré-Libertadores, e conquistou a classificação contra Concepción e Jorge Wilsterman, nos pênaltis, depois de vencer de 4 a 0 em casa, perdeu de 4 a 0 na Bolívia e teve que garantir a vaga nos pênaltis. Na altura comandado por Zé Ricardo, o time vascaíno foi melhorando, chegou na final do primeiro turno do Carioca, mas perdeu a final para o Botafogo. Na Libertadores caiu no grupo da morte e se complicou, acabou eliminado com apenas cinco pontos, venceu um jogo, empatou dois e perdeu 3.

CONFIRA ⇒ O pré-jogo de São Paulo e Vasco pela 17ª rodada

A situação de Zé Ricardo se complicava, pois começou no comando do time no Brasileirão, mas teve derrotas pesadas contra Vitória em casa, e o 3 a 0 contra o Bahia fora, repetindo o resultado do jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil contra o mesmo Bahia. Pois o estopim foi após a derrota em casa no clássico contra o Botafogo, 2 a 1, Zé Ricardo pediu demissão do clube. Foram 34 jogos comandados em 2018, venceu 15.

O interino, Valdir Bigode, ex-jogador com passagem pelo São Paulo, comandou o time no empate em 1 a 1 com o Cruzeiro em Minas Gerais, depois assumiu o Jorginho, retornando ao clube após dois anos. Jorginho comandou o time em 7 oportunidades, foram 3 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, sendo os dois últimos jogos com derrotas pesadas, o 3 a 1 para a LDU no Equador na Sul-Americana, com time reserva, e a derrota em campo neutro, mando do Vasco em Brasília, 4 a 1 para o Corinthians, de virada…

Ao todo em 2018, o Vasco fez 42 jogos, venceu 18, empatou 8 e perdeu 16, foram 64 gols marcados e 66 sofridos. Os bastidores do clube viveram caos, eleições, Eurico Miranda foi eleito, depois impedido, além da diretoria, teve mudanças na comissão técnica, não somente no técnico, e também na direção de futebol, como a chegada do experiente PC Gusmão de coordenador de futebol.

O Vasco de Jorginho está jogando no 4-2-3-1: Martín Silva, Luiz Gustavo, Henríquez, Ricardo e Ramon; Andrey, Desábato, Pikachu, Giovanni Augusto e Thiago Galhardo; Rios.

Caso opte realmente pela entrada do Thiago Galhardo no lugar do Kelvin, muda um pouco o estilo do time, reforça mais a armação, o meio, e perde velocidade, enquanto Giovanni Augusto retorna para a armação no lugar do jovem Evander, que quase veio parar no Morumbi em troca pelo Diego Souza.

Os vascaínos estão preocupados com o desfalque do ex-são paulino Breno, zagueiro que vinha se destacando mesmo nas goleadas sofridas pelo time, quem herda a vaga é o Oswaldo Henríquez, atleta que chegou do Sport, por enquanto só fez dois jogos pelo clube carioca, mas o sistema defensivo preocupa bastante o torcedor, afinal em 2018 foram 66 gols sofridos em 44 jogos.

O elenco vascaíno está tendo mudanças, nesta semana anunciou reforços importantes como o zagueiro Leandro Castán, os atacantes Vinicius Araújo e Maxi Lopez, mas nenhum deles vai jogar contra o São Paulo. Enquanto alguns atletas criticados pela atuação em campo e também uma postagem polêmica no Instagram na qual teriam menosprezado as vaias do torcedor, o ex-são paulino Wellington, os zagueiros Erazo e Paulão, deixaram o clube.

O ‘dono do time’ é o Yago Pikachu, são 15 gols marcados e 3 assistências na temporada, é o artilheiro da equipe, mas não é o maior passador. O dono das assistências é Thiago Galhardo, atleta que varia na equipe reserva e titular, deve jogar contra o São Paulo, foram 5 assistências na temporada, empatado com o lateral-esquerdo Henrique e seguido pelo atacante Andrés Ríos. Enquanto a artilharia é do Pikachu, mas seguida por Andrés Ríos, que marcou 10 gols, depois o jovem volante Andrey com 5 gols, seguido pelos meias Evander e Wagner com 4 gols cada.

Ponto forte

Ataque, mesmo não tendo grandes peças individualmente, o sistema ofensivo do Vasco marca bastante gols, até mesmo em derrotas costumam carimbar, a média é superior de um gol por jogo, exatamente 1.4, é preciso ter atenção na marcação, principalmente em Yago Pikachu e Ríos, juntos geraram 50% dos gols da equipe carioca na temporada, ou seja, 32 gols, sendo 25 marcado por eles, e em 7 ocasiões deram o passe.

O conhecimento do Nene, o nosso camisa 10 atuava lá ainda neste ano, e já foi comandado por Jorginho naquela ‘reação’ em 2015, o treinador já elogiou bastante o nosso meia nesses dias, e deu a entender que fará uma marcação forte nele, pode dificultar a vida dele, ou até ser um estímulo, a ver!

Ponto fraco

Sistema defensivo, a zaga do Vasco sofreu muito durante a temporada, muitos erros individuais, mas também tem um problema coletivo que o Jorginho não conseguiu corrigir ainda, portanto seguem tomando muitos gols como foi no jogo contra o Corinthians na rodada passada. Bola parada é um tormento na cabeça do vascaíno em 2018, muitos gols sofridos vieram através desses lances.

Fique de olho

Yago Pikachu, um lateral-direito que atua pela ponta, que tem sido decisivo como já era no Paysandu, mas poucos times deram atenção, pois bem, é ele que cria as melhores chances do Vasco, e ainda por cima é o artilheiro do time. Também é perigoso nas bolas paradas!

Curiosidade

O Jorginho que assumiu o Vasco em situação complicada em 2015, junto com o reforço do Nene naquela época, quase tiraram o clube do rebaixamento, inclusive deram trabalho para o São Paulo no Morumbi, empate em 2 a 2, um dos gols marcado pelo camisa 10 atualmente no São Paulo. Outra curiosidade é que Aguirre não chegou a enfrentar Jorginho, o técnico do São Paulo comandou Internacional e Atlético-MG nas temporadas 2015 e 2016, mas em ambas não enfrentou o Vasco de Jorginho, em 2015 jogou contra o Vasco de Doriva, empate em 1 a 1.

Reencontro

O atacante Kelvin, que atuou pelo São Paulo em 2016 e o defensor Bruno Silva, revelado pelo clube são-paulino, inclusive foi campeão brasileiro de 2008 no clube, reencontrarão o Tricolor, enquanto o zagueiro Breno, suspenso, não enfrentará o São Paulo. Já do lado são-paulino, Nene e Diego Souza reencontrarão seu ex-clube, o zagueiro Anderson Martins, suspenso, está fora do jogo.

Fábio Martins

Fábio Martins

Formado em jornalismo, ADM do SPFC 24 Horas desde 2012 e principal responsável pelo site e redes sociais desde 2014. Twitter: @fbiomartins1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: