Notas 2019 – Avaliação individual dos atletas na temporada

(Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

A tradicional ‘Notas’ de fim de ano está no ar. Como nossos seguidores acompanham, fazemos avaliação individual dos jogadores por partida, notas de 0 a 10 são dadas jogo após jogo, e no fim de ano realizamos uma avaliação geral do desempenho individual na temporada.

Foram avaliados os jogadores que terminaram a temporada no São Paulo, e a prioridade foi para atletas que fizeram mais de 10 jogos no ano.

Notas –

Goleiro:

Tiago Volpi – O começo de temporada do Tiago Volpi foi ruim, falhas no Paulistão, insegurança, mas no Brasileirão cresceu, foi um dos principais jogadores do time na competição, média de 3 defesas por jogo, e foi Top 5 dos goleiros com mais defesas difícil no torneio. 8.0

Lateral-direito:

Igor Vinicius – A pré-temporada mostrou afobação, e o início nos jogos oficiais também, pois cresceu muito durante o ano, foram 29 jogos na temporada e terminou muito bem o ano, inclusive marcou gol na vitória contra o CSA. 7.0

Juanfran – O experiente lateral espanhol chegou no segundo semestre, e logo conquistou a torcida, segurança defensiva e inteligência nos cruzamentos ofensivos. Atuou em 17 jogos e com muita regularidade. 6.5

Zagueiros:

Bruno Alves – O jogador mais regular do São Paulo em 2019, pouco falhou, muita segurança em campo, tempo de bola perfeito, o sistema defensivo teve destaque no ano, e muito por conta deste zagueiro. Esteve em campo em 52 jogos, o time sofreu 40 gols, ótima média, grande temporada do defensor de 28 anos. 8.5

Arboleda – Equatoriano também foi peça fundamental para o sistema defensivo, tempo de bola perfeito, principalmente pelo alto, teve jogos que cansou de tirar bolas, impecável. Mas diferente do Bruno Alves, Arboleda teve altos e baixos no ano, teve momentos na temporada que caiu de produção como antes da Copa América, e na reta final onde teve algumas falhas, mesmo assim o saldo é positivo. 7.5

Anderson Martins – Reserva imediato da zaga, o experiente zagueiro fez 22 jogos, e o time sofreu apenas 13 gols nessas partidas, teve desempenho positivo quando acionado. 6.5

Walce – Não atuou 10 jogos, mas vale a menção que quando precisou, correspondeu bem. Foram 5 jogos na temporada, e com personalidade. 6.5

Lateral-esquerdo:

Reinaldo – Um dos grandes destaques do São Paulo, no Paulistão foi regular, já no primeiro turno do Brasileirão foi o melhor jogador são-paulino, o mais criativo, raçudo, e ainda por cima decisivo. No segundo semestre caiu um pouco de produção, mas foi o melhor ano com a camisa do São Paulo. 7.5

Léo – O lateral teve um ano longe do ideal, atuou em 15 jogos do São Paulo, em 7 como titular, mas em nenhum momento chamou atenção, foi apenas razoável. 5.5

Volantes:

Luan – O jovem volante de 20 anos, começou o ano na seleção brasileira, mas quando retornou, logo tomou lugar como primeiro volante e foi assim até a metade do primeiro turno do Brasileirão, mas caiu de produção e foi perdendo espaço. Foi uma temporada de altos e baixos para o volante são-paulino. 6.0

Tchê Tchê – Polivalente, chegou com muita moral, Cuca variava posição dele, mas em geral fazia partidas apagadas, sem grande destaque, no começo do Diniz mesma situação. Foi melhor nos últimos jogos do Brasileirão, quando atuou de primeiro volante, a partir dali teve um novo cenário, boas arrancadas, jogadas, demonstrou que pode ser útil. 6.0

Liziero – Fez 29 jogos no ano, Liziero foi o motivo do time reagir no Paulistão, sua qualidade na saída de bola, movimentação, fez o time crescer com o interino Mancini, porém o ano foi difícil, muitas lesões, problemas, desfalcou demais o time e não conseguiu ter uma sequência interessante que pudesse ser o titular da posição. 6.0

Jucilei – Pior temporada do volante no São Paulo. O volante de 31 anos começou o ano sem muita moral, foi titular nos primeiros jogos, mas logo foi muito questionado e se machucou na 4ª rodada do Paulistão, mesmo assim atuou contra o Talleres na Pré-Libertadores e foi um dos culpados da péssima partida do time, foi muito mal, depois de lá, retornou na final do Paulistão e novamente foi questionado. Foi afastado depois da 9ª rodada do Brasileirão, e só foi retornar com Diniz, na 30ª rodada foi titular em quatro partidas, começou bem, mas novamente foi criticado e terminou o ano em baixa. 4.0

Hudson – Outro que fez uma temporada muito abaixo, foram apenas 32 jogos no ano, perdeu posição na 10ª rodada do Brasileirão, e só foi ser titular em mais uma rodada antes do fim do torneio. Também teve aquele momento que optou por não jogar mais na lateral, onde vinha sendo improvisado e foi cada vez mais perdendo espaço. 4.5

Meias:

Daniel Alves – Chegou no São Paulo sob muita expectativa, a estreia foi com gol e promissora, mas atuando como um camisa 10, meia-ofensivo, não rendia o esperado apesar do excelente número de passes certos, qualidade no meio de campo. Foi melhorar no fim da temporada quando atuou um pouco mais atrás, e teve liberdade no meio de campo, é um jogador de qualidade. 6.0

Hernanes – O principal nome contratado no início da temporada, talvez a maior frustração, o Profeta sentiu muito o físico durante o ano, quando atuava não conseguia desempenhar boas partidas, e sofreu com contusões. Foram 37 jogos no ano, 4 gols, mas com um desempenho longe do Hernanes… 5.0

Igor Gomes – Talvez a maior revelação do São Paulo em 2019, o jovem meia entrou durante momento conturbado do time no Estadual, e logo decidiu com dois gols nas quartas de final, e foi titular até a final da competição. Com Cuca perdeu espaço, pouco jogou, mas recuperou a condição na reta final com Fernando Diniz, e novamente foi decisivo, importante em resultados na reta final da temporada. 6.5

Vitor Bueno – O começo foi ruim, mas cresceu com Fernando Diniz, atuando como um meia pela esquerda, começou a ser decisivo, foi o artilheiro do São Paulo no Brasileirão 2019 com seis gols, terminou a temporada em alta no clube. 6.5

Helinho – O panorama no início de 2019 era que Helinho seria o principal nome da base no profissional, e assim começou o ano, com moral, titular do time, mas sem confiança, perdendo jogadas com facilidade, foi perdendo espaço, e viu Antony, que jogou a Copinha, conquistar sua vaga. Helinho teve uma temporada ruim, muito abaixo da expectativa gerada. 4.5

Gabriel Sara – Foram apenas 6 jogos, mas terminou a temporada com moral, entrando nos jogos mais vezes que Hernanes e Pato, e em geral participativo, tentando jogadas. Na despedida contra o CSA foi destaque, pode ser uma peça importante em 2020. 6.5

Pontas:

Antony – Quando retornou para o sub-20, parecia que não teria espaço no time profissional em 2019, pois carregou o time na Copinha, e dias depois da conquista, já estava no profissional, como titular e esperança. O começo foi bom, marcou gols importantes na última rodada e também na final, porém foi caindo de produção, e teve um começo de brasileiro muito ruim, pouco criativo, muitos toques para trás. Cresceu na reta final com Diniz, voltou a marcar gols, criar jogadas, e dar esperança sobre sua qualidade. 6.0

Everton – Um dos principais nomes ofensivos, decepcionou, foram 31 jogos no ano, dois gols, poucas assistências, e muitas lesões. Temporada de 2019 é para ser esquecida pelo ponta de 31 anos. 4.5

Toró – O atacante foi promovido no começo do Brasileirão, e logo no segundo gol marcou um belo gol contra o Goiás, demonstrou muita força física, velocidade, vontade, mas caiu de produção e sofreu uma lesão na 21ª rodada que atrapalhou sua continuidade no ano. 5.5

Calazans – Difícil avaliar, foram 4 jogos, apenas um como titular, sem sequência, quando atuou, foi razoável, nada muito chamativo, e nada tão horrível também. 5.0

Atacantes:

Pablo – Contratação mais cara da temporada, o centroavante decepcionou. Machucou na semifinal do Paulista contra o Palmeiras, só retornou 4 meses depois, contra o mesmo Palmeiras, no Brasileirão, fez gol, e novamente machucou. Retornou na 19ª rodada, fez dois gols no período, e voltou a machucar, lá na 24ª rodada, retornou na reta final e não marcou mais nenhum gol. Foram 28 jogos e 7 gols, ano ruim. 4.5

Pato – Outro nome badalado em 2019 que não rendeu. O começo do Pato foi bom, estreou bem contra o Botafogo, jogou muito contra o Goiás e marcou gol neste jogo. Depois sofreu uma lesão contra o Flamengo, logo retornou, mas não foi igual. Marcou gols contra Cruzeiro, Atlético Mineiro, e depois dois contra o Santos na 14ª rodada, jogo na qual foi mais decisivo, depois não marcou mais gols e pouco produziu nas partidas, ano ruim. 4.5

Bolas cheias

Volpi – Reagiu na temporada, demonstrou muita personalidade, foi um dos melhore do time no Brasileirão.

Bruno Alves – Grande temporada, o mais regular do time no ano, merece toda referência positiva.

Arboleda – Apesar dos altos e baixos, foi uma ótima temporada do equatoriano.

Igor Gomes – Foi decisivo no Paulistão, e depois na reta final do Brasileirão, terminou muito bem a temporada.

Reinaldo – Apesar dos apesares, o lateral-esquerdo foi importante na temporada, melhor ano com a camisa do São Paulo.

Bolas murchas

Pato – O atacante costuma ter momentos de desfocado, já conhecemos, mas no segundo semestre esteve muito aquém do esperado.

Pablo – Poucos jogos, poucos gols, espera muito mais de uma das contratações mais caras da história do clube.

Hernanes – O Profeta pode render muito mais do que foi em 2019, e essa é a esperança para 2020.

Everton – Foi um dos principais jogadores em 2018, pois em 2019 foi muito longe, sofreu demais com lesões e pouco contribuiu.

Hudson e Jucilei – Volantes com salário alto e que já fizeram boas temporadas, em 2019 foram uma decepção total.

Agradeço a todos que acompanhar as Notas em 2019, e nos vemos em 2020!

Abraços

Fábio Martins (@fbiomartins1)

Fábio Martins

Fábio Martins

Formado em jornalismo, ADM do SPFC 24 Horas desde 2012 e principal responsável pelo site e redes sociais desde 2014. Twitter: @fbiomartins1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.