Melhora nos resultados é o exemplo claro de que estrangeiros precisam de tempo

Arboleda e Gómez sendo apresentados. (Foto: Divulgação)

Caros Tricolores Tri-Campeões Mundiais. O São Paulo finalmente vem demonstrando uma grande melhora em seus resultados após quase 15 rodadas na zona de rebaixamento, fato que se tornou um recorde negativo para o Tricolor no Campeonato Brasileiro. Quando esta contagem teve início, o time havia acabado de vender quase metade do time titular, fora alguns jogadores que costumavam ser reservas. David Neres saiu bem no comecinho da temporada, Lyanco um pouco depois, Maicon, Luiz Araújo e Thiago Mendes, praticamente, pegaram o mesmo vôo para a Europa, pois saíram quase que ao mesmo tempo. Recentemente, Wesley e Cícero rescindiram o contrato e assinaram com Sport e Grêmio, respectivamente.

Claro, a diretoria correu atrás e buscou peças de reposição. Obviamente, nem todos os jogadores que chegaram eram de nível igual ou até superior aos que saíram, mas alguns deles realmente se mostraram um bom negócio. Com as saídas dos jogadores supracitados, chegaram Jucilei, Thomaz, Maicosuel, Edimar, Petros, Morato, Marcinho, Aderllan, Hernanes, Bruno Alves, Pratto, Arboleda e Gómez. Os três últimos são estrangeiros e, praticamente, titulares à exceção de Gómez, que é reserva mas joga regularmente. Os demais são brasileiros mas apenas Petros e Hernanes são titulares absolutos.

Óbvio, os brasileiros precisam de adaptação, mas é um processo mais fácil e comum. Agora, os estrangeiros sim, são casos complicados. Há de se lembrar que, além dos três contratados neste ano, ainda temos Cueva, Buffarini e Lugano, isso sem falar em Centurión, que ainda era do São Paulo quando todos estes chegaram.

Mesmo com a chegada de tanta gente, o São Paulo patinava dentro do Z-4, sem conseguir resultados importantes até mesmo dentro do Morumbi. A situação se tornava alarmante, pois o elenco é qualificado o suficiente para nem sequer chegar perto de ser rebaixado. É aí que muita gente começou a buscar explicações para tal fato, já que ninguém conseguia entender o motivo pelo qual o São Paulo não engrenava. “Pô, mas o São Paulo mudou mais de meio time com a temporada quase na metade, claro que isso ia acontecer!”. Talvez. É evidente que, quando o time sofre um desmanche com a temporada em andamento, o entrosamento vai embora junto. Mas poxa, temos Pratto, Hernanes, Jucilei (que estava voando), Junior Tavares (estava se mostrando uma grande revelação), ou seja, tudo bem que não temos um time pra ganhar tudo quanto é título, mas brigar pra sair do Z-4? Poxa…

Junto com as derrapadas coletivas da equipe, havia um fator preponderante que começou a se manifestar: a queda de rendimento de Cueva, Buffarini e Pratto, além da clara falta de entrosamento de Gómez e de Arboleda. No caso dos três primeiros há ressalvas: Cueva já está no São Paulo desde o final da Libertadores de 2016, quando chegou para substituir PH Ganso, Buffarini chegou quase que junto, Pratto chegou neste ano, mas já joga no Brasil há um tempo, o que facilita o processo de ambientação. Já Gómez e Arboleda nunca passaram pelo Brasil e, principalmente, por um clube de camisa entorta varal. Arboleda até demonstrou mais facilidade, Gómez é que ainda não emplacou.

No entanto, as coisas parecem estar começando a se encaixar. Arboleda vem tendo bem mais segurança na defesa, Gómez entra em campo com mais regularidade, além de Cueva e Pratto que, de alguma forma, demonstram mais desempenho, mesmo que Pratto, por exemplo, esteja em um jejum incômodo em sua vida artilheira.

Um caso específico sobre Cueva que, aliás, pode também explicar os casos de Arboleda e Gómez: o próprio jogador, sem querer, deixou no ar durante a última entrevista um fator curioso – parecia ainda não perceber o tamanho do time em que ele estava jogando. Ou seja, alguns jogadores de fora chegam e demoram para notar a grandeza e importância do São Paulo no futebol, tanto brasileiro, quanto internacional. Aos poucos, os jogadores estão melhor ambientados e mais entrosados.

Cueva driblando Rithely. (Foto: Divulgação)

Cueva é uma peça fundamental na equipe. Estava claro que, quando ele não jogava ou jogava mal, o time inteiro sentia. De uns tempos pra cá, principalmente no returno do campeonato, Cueva melhorou um pouco, ainda estando longe daquele Cueva do ano passado, mas já melhorou.

Falando em returno, o São Paulo registra 7 partidas, com 3 vitórias, 3 empates e 1 derrota, esta no clássico contra o Palmeiras que, por sinal, perdemos jogando bem. Tal aproveitamento tirou o São Paulo do rebaixamento após mais de meio Campeonato Brasileiro.

Na próxima quarta-feira (11), O São Paulo viaja para Minas Gerais. O adversário é o Atlético-MG, às 21h45.

Igor Martinez

Administrador e CDC do site SPFC24Horas.com.br --- Professor de Educação Fïsica, gamer e guitarrista. --- Torcedor nato do São Paulo Futebol Clube, louco por futebol e apaixonado por automobilismo. Me tornei São Paulino graças ao meu pai, que providenciou até mesmo um par de sapatinhos de bebê para pendurar na porta do quarto na maternidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: