Vizolli só não será um novo Jardine por causa de Crespo

Podemos fazer essa comparação do atual técnico interino Marcos Vizolli com André Jardine em 2018 pelo retrospecto nesse final de Campeonato Brasileiro e lembrar como foi o final daquele ano e o começo de 2019. Vale ressaltar também que esse ano já temos um treinador garantido a partir do primeiro jogo do Paulistão, Hernan Crespo.

Vamos ao retrospecto dos treinadores, que assumiram o clube na mesma rodada em anos diferentes:

André Jardine

1 vitória (1×0 contra o Cruzeiro)

2 empates (0x0 contra o Sport e 1×1 contra o Grêmio)

2 derrotas (2×0 contra o Vasco e 1×0 contra a Chapecoense)

Marcos Vizolli*

1 vitória (2×1 contra o Grêmio)

2 empates (1×1 contra Ceará e Palmeiras)

1 derrota (1×0 contra o Botafogo)

*a matéria foi escrita após a derrota contra o Botafogo, podendo ser igualado na quinta-feira, diante do Flamengo no Morumbi.

Vizolli tem um estilo de comandar o clube que lembra o ex-técnico do São Paulo, Fernando Diniz, inclusive fazendo as alterações na segunda metade do tempo complementar, mesmo se o time estiver perdendo o jogo e não jogando absolutamente nada, como foi o exemplo do duelo diante do Botafogo. Ele só tirou Toró para colocar Léo por causa da expulsão de Reinaldo, e aos 19 minutos ele fez as primeiras alterações: sacou Juanfran e Gabriel Sara para colocar Igor Vinicius e Galeano. 10 minutos após, colocou o cansado Hernanes e João Rojas, que finalmente entrou em campo após 2 anos, no lugar de Igor Gomes e Bruno Alves, porém não mudou absolutamente nada.

Já André Jardine preferiu continuar com boa parte dos 11 jogadores que Diego Aguirre colocou em sua última partida, no empate contra o Corinthians na NeoQuimica Arena. Algumas mudanças ocorreram nos 5 jogos finais, dando chances para Brenner, Antony e até Trellez, mas o resultado sabemos qual foi.

Mas qual seria a diferença dos treinadores interinos e da situação?

Em 2018 o São Paulo foi líder do Campeonato, conquistou o título do primeiro turno e tudo começou a dar errado após o empate contra o Paraná, na primeira rodada do returno. Ainda ganhou do Ceará por 1 a 0 com gol de Bruno Peres, mas depois a chance do hepta foi por água abaixo, com péssimos resultados, falhas do elenco de modo geral, quebra de tabu do rival após 16 anos e apenas 4 vitórias nos 19 jogos restantes do Brasileirão.

Acabou o torneio na 5.ª posição com 63 pontos, 3 a menos que o Grêmio, clube que foi o último garantido na fase de grupos da Copa Libertadores do ano seguinte. Além disso, Leco e Raí continuaram confiando no treinador interino até a derrota no clássico para o Corinthians por 2 a 1 em territórios rivais, após também a eliminação inédita na pré-Libertadores para o Talleres de Córdoba.

Na atual temporada, a situação crítica do Tricolor começou a partir da derrota para o rival de Itaquera por 1 a 0, novamente na NeoQuimica Arena e que muitos consideraram a partida que enfim derrubaria o tabu de nunca ter vencido no estádio do Corinthians. Ainda venceu Atlético Mineiro (3×0 que iludiu muito a torcida) e o Fluminense no Maracanã, porém a eliminação nas semis da Copa do Brasil para o Grêmio foi crucial para a tragédia no clube da Barra Funda iniciar já no segundo dia do ano, quando levou 4 gols do RB Bragantino em menos de 45 minutos.

Derrota para o rival com elenco quase todo da base, goleada para o Inter, derrota para o Atlético Goianiense, empate com o Ceará com falha de Tiago Volpi, não vencer o Palmeiras e as chances de título, que chegaram a mais de 60% pro Tricolor quando estava 7 pontos na frente do Colorado fizeram todos os sonhos e ilusões da torcida irem por água abaixo. E para não precisar novamente ir disputar as primeiras fases da competição mais importante do continente, precisa derrotar o Flamengo em casa e que pode conquistar o título Brasileiro até mesmo com uma derrota, dependendo apenas do Inter vencer o Corinthians no Beira-Rio. Se empatar, o Fluminense precisaria de uma vitória apenas para ultrapassar o São Paulo nos critérios de desempate e conseguir a vaga direta na fase de grupos.

Vale lembrar também que se o Palmeiras vencer a Copa do Brasil, a vaga na fase de grupos está garantida, algo que seria um alívio para a equipe não precisar de fases eliminatórias, igual foi em 2019. Se o Grêmio ganhar e o Tricolor ser ultrapassado pelo Fluminense, o Ayacucho do Peru será nosso adversário e a decisão da vaga será nos 3.350 metros de altitude do Estádio Inca Garcilaso de la Vega. Caso classifique, poderá ter pela frente o Independiente Del Valle, clube sensação nos últimos anos e que vem com ótimos desempenhos.

Afinal: por qual motivo o São Paulo pode não viver a mesma coisa de 2019?

Naquela temporada, o grande erro da gestão Leco-Raí foi a insistência em Jardine, que se tornou fundamental para o vexame do Talleres e o péssimo início de Campeonato Paulista, sendo mudado isso por Vagner Mancini, após assumir o clube interinamente até Cuca comandar o São Paulo na reta decisiva do estadual.

Para esse ano, onde nem pré-temporada será feita devido a pandemia e outros fatores, Hernan Crespo já vai chegar com o duelo de estreia no Paulistão na porta, duelo esse contra o Botafogo de Ribeirão Preto no Morumbi. É algo que pode ser um alívio para o torcedor, mas também preocupa se caso ir para a pré-Libertadores e o clube ser eliminado precocemente, e a torcida vai começar a cobrar a cabeça do treinador.

Só não pode esquecer que peças como Reinaldo, Trellez, Pablo e outros que não vem em boa fase estavam nessa eliminação vexatória e seguem no elenco, mesmo fazendo partidas horrorosas e que fazem a torcida só passar raiva atualmente.

 

Salvem o Tricolor Paulista.

Christopher Henrique (@oChrisHenrique)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.