Em Mogi, São Paulo estreia no NBB 2020/21 enfrentando o rival Corinthians no quarto majestoso da história

FOTO: Paulo Pinto/saopaulofc.net

Após uma dolorida eliminação diante do Franca Basquete na semifinal do Campeonato Paulista de 2020, o São Paulo enfrenta, neste sábado (14), o arquirrival Corinthians. O majestoso marca a estreia do tricolor paulista no Novo Basquete Brasil (NBB) 2020/21. O duelo será realizado no Ginásio Professor Hugo Ramos, em Mogi das Cruzes, uma das mini-sedes deste primeiro turno de campeonato nacional. A partida inicia-se às 16h00 (horário de Brasília) e será transmitida no Facebook do NBB.

Campanha no Campeonato Paulista de 2020

O desempenho do time são-paulino no estadual não foi de “encher os olhos”. A equipe comandada por Cláudio Mortari conquistou grandes vitórias contra equipes muito inferiores tecnicamente (Osasco, Corinthians – que disputou o Paulistão com jovens – e LSB) e consolidou bons resultados diante de clubes mais qualificados (Pinheiros, Mogi e Paulistano). O tricolor paulista, contudo, foi testado apenas duas vezes no Campeonato Paulista, e o resultado foi negativo em ambas as ocasiões. As derrotas do clube do Morumbi foram diante do Paulistano, ainda na primeira fase e contra Franca, na semifinal. O panorama atual, claro, não é de alerta, essencialmente devido ao enorme potencial do plantel como conjunto. Para a disputa do NBB fica a expectativa de ajustes em pontos falhos do sistema técnico, sobretudo os buracos defensivos, falta de foco e o pragmatismo ofensivo em alguns momentos.

Expectativas para a temporada 2020/21 do NBB

Terceiro colocado na última edição do Novo Basquete Brasil (NBB), o São Paulo, agora com um plantel reforçado, almeja repetir o desempenho apresentado na temporada passada e brigar com mais intensidade no topo da tabela. Na teoria, o tricolor paulista tem um dos elencos mais fortes do país e deve disputar a liderança da elite nacional. O objetivo inicial é, sem dúvidas, garantir posição no G4 da competição, assim conquistando vaga direta às quartas de final da fase de playoffs. Todavia, não será nada fácil atingir essa meta, pois o nível técnico do NBB segue elevado e equilibrado, sobretudo devido ao número de equipes com potencial para surpreender e que dificultarão esta batalha pelas primeiras colocações do torneio.

O adversário – Corinthians

O Corinthians, atual vice-campeão da Liga Sul-Americana, reformulou grande parte de seu elenco na  janela de intertemporada. Interrompido no mês de maio, o projeto do basquete dentro do clube alvinegro foi retomado oficialmente em agosto, quando os corinthianos iniciaram do zero a montagem do novo elenco, já que grande parte dos atletas não tiveram seu contrato renovado devido ao corte no orçamento, ocasionado pela crise do coronavírus em terras tupiniquins. 9 jogadores e o técnico Bruno Savignani deixaram o Parque São Jorge. Todavia, Ricardo Fischer e Zoom Fuller, ídolos do clube e destaques na última temporada, estenderam seus respectivos vínculos.

Antes da renovação dos seus principais atletas, a equipe corinthiana manteve-se amplamente ativa no mercado e fez contratações pontuais para a disputa do Novo Basquete Brasil (NBB). O armador Gegê Chaia, o ala Malcolm Miller, o ala-pivô Arthur Bernardi, o pivô Renato Carbonari e, claro, o treinador Demétrius Ferraciú foram contratados visando a temporada na elite nacional. Corinthians, contudo, optou por uma filosofia ousada e certeira no Campeonato Paulista: jogar o estadual com um plantel formado apenas por jovens, tendo o intuito de desenvolvê-los para completar o elenco do NBB. Reforços, Lucas Vezarinho, Lucas Cauê e Lucas Siewert juntaram-se a diversos jovens da base alvinegra e se destacaram no Paulistão sob o comando de Vitor Galvani.

A estratégia aparenta ter sido bem aplicada e a integração dos destaques à equipe principal já aconteceu. Além do trio Lucas Vezarinho, Lucas Cauê e Lucas Siewert, o armador Felipe Dalaqua, o ala-armador Anderson Pinheiro, o ala Guilherme Cestari e o pivô Alexandre Ludwig também receberam oportunidades no time comandado por Demétrius Ferraciú.

Destaques da equipe alvinegra

Dupla: Dois jogadores de extrema qualidade, Ricardo Fischer e Zoom Fuller ainda não encontraram a química ideal para atuarem juntos no backcourt. Porém agora, com a chegada de Gegê Chaia para desafogar o volume e intensificar a criação de jogadas, a dupla terá mais liberdade para pontuar, sobretudo podendo aproveitar melhor os espaços com um armador auxiliando. As novas funções ofensivas de Fischer e Fuller devem, sem dúvidas, elevar o patamar do ataque corinthiano.

Ritmo: Na vitória do Corinthians sobre Franca, o técnico Demétrius Ferraciú optou por uma formação baixa, o famoso small ball. O quinteto inicial, inicialmente formado por: Gegê, Fischer, Fuller, Siewert e Arthur, conseguiu imprimir seu jogo e consolidar um ritmo amplamente superior ao de Franca. O clássico pivô cinco vem perdendo cada vez mais espaço para o “falso pivô”, que flutua dentro das linhas e abre mais espaço para um perímetro congestionado de bons chutadores. A equipe trabalha basicamente com um armador clássico (Gegê), três laterais de alta qualidade (Fischer, Fuller e Siewert) e um pivô leve, que espaça a quadra (Arthur). Encaixando com êxito essas peças, o jogo de transição será fortalecido, assim aumentando ainda mais o ritmo, que já é intenso.

Movimetação e amplitude no perímetro: A rotação de bola e a movimentação – off ball e on ball – dos jogadores corinthianos é um dos principais pontos positivos da clube. Já que, claro, uma coisa leva a outra, esse estilo de jogo do Corinthians permite ao time uma maior variedade e amplitude tática. A equipe, como um todo, sabe perfeitamente se posicionar e encontrar o maior número de espaços, facilitando o tiro livre do perímetro, assim elevando o aproveitamento.

Qualidade individual e coletiva: Grande parte das análises sobre a equipe do Corinthians são feitas considerando o poderio individual de cada peça do plantel corinthiano, visto que a atual equipe tem, antes do majestoso, apenas uma partida disputada. Porém, o apresentado diante do Franca já evidência muitos dos pontos positivos deste time. Analisando jogador por jogador encontramos ótimos nomes que já se destacaram individualmente e muitos por não ser tão adepto de um jogo coletivo. Apesar disso, o bom equilíbrio do conjunto em geral pode permitir uma maior lateralidade vide as opções atuais, deixando a balança da individualidade e coletividade bem igual.

O jogo

A expectativa é de um duelo equilibrado e mais parelho quando comparado aos outros confrontos entre as duas equipes. O favoritismo ainda pertence ao São Paulo, que tem, em tese, uma equipe mais forte tecnicamente e nunca foi derrotado pelo seu arquirrival. No entanto, há grandes chances do Corinthians surpreender o tricolor paulista, já que a equipe do Morumbi pouco sabe do potencial que o alvinegro pode atingir em uma partida.

Há chances dos times optarem por mudanças visando o clássico deste sábado. Caso os treinadores mantenham o mesmo quinteto titular dos jogos recentes, diversos terão de ser feitos ajustes dentro de quadra. Corinthians aposta em um estilo de jogo mais veloz, com melhor movimentação de bola, ritmo mais intenso e, claro, formação mais baixa. São Paulo, por sua vez, tem a alta estatura como um ponto crucial do plantel, utiliza movimentos mais cadenciados, é dependente do desempenho individual de cada atleta e utiliza os pivôs, sobretudo com Lucas Mariano, um dos destaques do clube.

Espera-se um jogo truncado, de muito estudo, essencialmente no início do confronto, mas também com muita qualidade nos dois lados. Será muito interessante ver os matchups e duelos individuais neste duelo. As defesas precisarão, acima de tudo, agir com maestria. Pelo lado do São Paulo, como conter o ritmo, a movimetação de bola e os destaques do Corinthians? O alvinegro, por sua vez, não tem peças para marcar o MVP Georginho de Paula, Qual será a estratégia para impedir o tricolor de aproveitar a vantagem na estatura? Dobras? Zona 2-3? O embate promete e muito, principalmente devido as diversas movimentações que poderão ser feitas pelos treinadores durante o desenrolar do confronto.

Curiosidades 

O Corinthians NUNCA venceu o São Paulo em toda a sua história. Ao todo, são três jogos e três vitórias do tricolor paulista.

FICHA TÉCNICA:

Jogo: São Paulo x Corinthians

Local: Ginásio Professor Hugo Ramos, Mogi das Cruzes (SP).

Data e horário: 14 de novembro, 16h00 (horário de Brasília).

Transmissão: Facebook do Novo Basquete Brasil (NBB)

PROVÁVEIS TITULARES:

São Paulo: Georginho de Paula, Corderro Bennett, Shamell Stallworth, Renan Lenz e Lucas Mariano. Técnico: Cláudio Mortari.

Corinthians: Gegê Chaia, Ricardo Fischer, Zoom Fuller, Lucas Siewert e Arthur Bernardi. Técnico: Demétrius Ferraciú.

Arremesso Tricolor: ouça o podcast de basquete do SPFC24Horas em seu agregador favorito:

O Arremesso Tricolor é uma proposta independente e totalmente exclusiva do site SPFC 24 Horas.

Diego Marcondes

Diego Marcondes

16 anos. Amante de basquete e são-paulino desde criança, sonha em ser jornalista no futuro. Escreve, também, sobre o Boston Celtics no site Celtics Brasil e sobre NBB no portal Jumper Brasil. @diegaom25

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.