1 ano sem público nos estádios. Até quando?

O dia 11 de março de 2021 marca 1 ano da última vez que 39.107 pessoas tiveram a oportunidade de ver o São Paulo em campo no Estádio do Morumbi, e para muitos torcedores de outros clubes foi antes, já que no final de semana seguinte os governadores estaduais já começaram a vetar público e suspender os campeonatos.

Passou 1 ano e a situação, em que muitas regiões pelo mundo vem reduzindo o contágio e diminuindo as restrições, aqui no Brasil se tornou o epicentro da pandemia, podendo novamente e repetindo a situação da temporada passada, o Campeonato Paulista ser paralisado devido a “Fase Roxa” do Plano de Contingência do Governo de São Paulo, que praticamente restringe a prática do esporte no estado, vendo uma forma também de não haver possíveis surtos da doença nos clubes. E a grande dúvida de muitos torcedores é: Quando vamos poder voltar aos estádios, ver o nosso clube de coração?

Hoje essa pergunta infelizmente não tem uma resposta, e podemos citar o exemplo de muitas pessoas acreditando que até o final do ano de 2020 ou no mais tardar, início de janeiro já poderiam acompanhar os jogos no estádio, e analisando a situação atual podemos ter a conclusão que pelo menos no Brasil, vamos encarar mais um ano de estádios vazios. Ressaltando a situação em alguns países, como a Rússia que por exemplo já podem receber torcedores nos estádios, e em muitas situações não ocorre o distanciamento social ou uso de máscaras, algo fundamental na prevenção da Covid-19.

Seria a repetição de 2020?

A preocupação de vários torcedores agora é essa paralisação perdurar até o meio do ano, lembrando o que ocorreu na temporada anterior, onde os estaduais só começaram a voltar no segundo semestre. Vendo que os números a cada dia só pioram, recordes de mortes sendo batidos, tanto no país como no estado, além da falta de leitos de UTI, não espere ver estádios cheios aqui pelo menos nos próximos dois, três ou até mais anos, sendo muito otimista para com as vacinas.

O grande problema para a volta do público nos estádios, além de um possível aumento no número de contaminados é as aglomerações que podem ocorrer, seja na chegada da estação, no trajeto Metrô-Estádio ou até dentro do Cicero Pompeu de Toledo, algo que seria complicado de ser respeitado. Além desse fator, as pessoas que já não respeitam os procedimentos básicos para não ser contaminado (utilização de álcool gel, máscara e distanciamento) vai gerar esse problema, que ele pode não sentir absolutamente nada, mas passar para as pessoas próximas.

Momentos que marcaram a época de ir aos jogos

Estação São Paulo-Morumbi em um dia normal. Foto: Christopher Henrique | SPFC 24 Horas

“Próxima estação, next station: Terminal São Paulo-Morumbi”. Uma coisa que o torcedor do Tricolor sente falta é de chegar na estação que tem o nome do clube e do estádio, andar pela Avenida Jorge João Saad ouvindo barulho de fogos e cantos da torcida, e chegando na Praça Roberto Gomes Pedrosa, onde se encontravam com vendedores ambulantes, as famosas “3 cervejas por R$ 10”, a “pizza de 10”, cambistas vendendo ingressos, o lanche de pernil e mais outras situações que só o torcedor na qual pagava o ingresso para ir ver as partidas, seja antes ou depois do jogo, com os amigos ou sozinho teve a experiência.

Isso que nem precisa citar os dias de jogos mais decisivos, especialmente nas quartas-feiras à noite, ocasião em que desde o final da tarde já era possível encontrar torcedores fazendo seu pré-jogo, aguarando o principal momento antes do duelo: a chegada do ônibus. A última vez que aconteceu essa recepção já foi durante a pandemia, antes do jogo de volta contra o Grêmio pelas semifinais da Copa do Brasil, onde mais de 5 mil pessoas estiveram nas proximidades do Cicero Pompeu de Toledo para receber o clube e depois acompanhar, via rádio ou a TV do celular o empate sem gols entre os tricolores, que levou os gaúchos para a decisão do torneio.

As causas para a paralisação no Campeonato Paulista

O principal motivo para essa possível parada no torneio foi a implantação de uma medida mais restritiva, onde todo o estado de São Paulo está na fase roxa do Plano de Combate ao Covid 19. Nessa fase, os serviços considerados essenciais (postos de gasolina, padarias e supermercados) também não podem operar 24 horas por dia, sendo feitos em horários reduzidos.

Além dessas restrições, os templos religiosos que foram considerados como serviços essenciais estarão fechados nessa fase, e o Campeonato Paulista de todas as divisões são paralisados também, seguindo o pedido do Ministério Público do Estado que recomendou pelo menos por alguns dias a interrupção do principal torneio estadual do país.

Em nota divulgada na última terça-feira (9), a Federação Paulista de Futebol cita que desde o ano passado vem seguindo um rígido protocolo feito pelo Centro de Contingência do Governo, realizando testes e com acompanhamento médico diário. Também na nota, cita que uma nova paralisação pode ser crucial no combate da pandemia, já que os atletas ficariam expostos e não teriam controle médico e testes quase que diários para a covid-19.

Por outro lado, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já informou em nota que após uma reunião com membros das 40 equipes participantes das Séries A e B do torneio nacional, houve unanimidade para continuar os torneios, sejam estaduais quanto nacionais. O principal exemplo que a entidade maior do futebol no país citou foi a realização de mais de 90 mil testes, com uma média de 2,2% de resultados positivos para a doença, além de seguir os rigidos protocolos de saúde não só apenas nos estádios, mas também nas hospedagens, refeições e treinamentos. Confira a nota da CBF:

Em reunião realizada na tarde desta quarta-feira (10), a CBF, as Federações Estaduais e os Clubes ratificaram por unanimidade a decisão de manter a disputa das competições estaduais e nacionais. Em relação aos campeonatos coordenados pela CBF, caso haja restrição de poderes públicos locais, por conta do quadro da pandemia, a alternativa será a transferência da referida partida para outra cidade do mesmo ou de outro estado.

Resta aguardar os próximos episódios dessa situação caótica que vive o sistema de saúde, torcendo para dias e notícias melhores e ver qual será a interferência das autoridades na continuação do futebol, não só falando em patamar estadual, mas também pelo país afora. Porém, voltar a ver o clube de coração no estádio vai demorar, e não será pouco tempo, infelizmente.

Christopher Henrique | Twitter: @oChrisHenrique

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.