Segunda Tricolor: É o fim

(Foto: @saopaulofc)

Fala Nação Tricolor, tudo em cima?

Eram sete pontos para o segundo colocado, sete pontos a favor, que nos mantinha distantes de todos. Hoje são sete pontos contra, e agora só mais 15 em disputa, o São Paulo deu adeus a briga pelo título do Brasileiro e terá que focar na briga por G4, que até janeiro, era uma certeza para o clube no final da competição.

Essa perda da vantagem resultou no que grande parte da torcida e da imprensa sempre quis e defendeu, a demissão de Fernando Diniz. O treinador morreu abraçado com suas convicções que quase o derrubaram em outras oportunidades, mas ele conseguiu se sustentar com grandes mudanças. Dessa vez realmente o limite estourou, ele não quis mudar e morreu com isso. O estilo de jogo do São Paulo ficou manjado e Diniz não foi capaz de mudar, ainda contou com a queda de rendimento de alguns jogadores, Como Sara, Igor Gomes, Dani Alves e Brenner.

Fernando Diniz talvez tenha jogado fora a maior chance de sua carreira, afinal esse elenco é o mais forte com qual ele já trabalhou. O trabalho, assim como de outros treinadores foram de grandes altos e baixos, sendo o segundo mais comum. Eliminações vexatórias, goleadas históricas e uma perda de um campeonato que era muito difícil de perder. Os bons momentos foram quando ele assumiu a liderança e um pouco antes da parada da Pandemia.

É fato também dizer que Diniz foi alvo de uma grande militância seletiva por parte da torcida e da imprensa, sempre se cobrou dele e se reclamou dele, mas essa mesma militância passava um belo pano para outros treinadores que cometeram os mesmos erros e sofreram vexames tão grandes quanto os de Diniz.

Mas O treinador não é ou era o único responsável pela queda. Além dos jogadores, que também são responsáveis. É preciso ser dito que a transição de Júlio Casares foi um fracasso e atrapalhou demais o time.

Casares não quis esperar até fevereiro para começar a mudar as coisas na Barra Funda, tirou dirigentes que os jogadores gostavam e colocou conselheiros dentro do CT, destruindo o ambiente. Júlio até a coletiva de hoje não havia falado nada, não tinha dado a cara. Talvez soubesse que ele teve culpa na queda do time e quis ficar quieto esse tempo todo.

Ele inclusive vai muito na onda da torcida. Antes de ser eleito garantia que Rogério seria seu treinador, nessa época Diniz estava prestes a ser demitido. Quando Diniz cresceu, Júlio foi eleito e disse que Diniz permaneceria no time independente de título, um mês após essa Fala, Casares vai na onda da pressão e decide demitir Fernando Diniz. Que Casares se toque e perceba que para sua gestão ter sucesso não pode ir na da torcida e seguir os passos da gestão Leco.

UMA ÓTIMA SEMANA A TODOS!

Gustavo Dervelan (@dervelan_1999)

Gustavo Dervelan

Gustavo Dervelan

20 anos, Paulistano e são-paulino de berço! Estudante de Jornalismo na Universidade São Judas Tadeu. Apaixonado por esportes Brasil a fora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.