Exclusivo: Ted fala sobre aposentadoria e sobre a passagem pelo São Paulo “Foi muito bom vestir a camisa do São Paulo”

Por: Alex Bispo

Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Após as entrevistas com Danilo Penteado do Basquete Tricolor  e do atacante Mazola revelado pelo São Paulo, o SPFC 24 Horas conversou com o ex jogador e Ala do São Paulo Futebol Clube na disputa da Liga Ouro, Ted. Ele que decidiu deixar as quadras após a última temporada com a camisa do Tricolor e, falou sobre o assunto. “Foi uma decisão amadurecida com o tempo. Já estava praticamente aposentado e tive uma pausa de duas temporadas, mas em uma conversa com o Mortari e o Rossi, decidi disputar a Liga Ouro. Ao final da competição, avaliei junto à minha família e decidi pela aposentadoria, dessa vez definitiva”, falou.

Na última temporada da Liga Ouro, sob o comando de Cláudio Mortari, Ted atuou em todas as 24 partidas da competição, com uma média de 8,1 pontos por jogo, 3,2 rebotes, 1, 4 assistência e 6, 7 em eficiência na temporada. Sua melhor atuação foi diante da Unifacisa no jogo 4 da grande final onde anotou 25 pontos (sendo cinco bolas de três pontos) além de duas assistência na partida.

Foto: Daniel Nery/Unifacisa

Ted também comentou sobre a atmosfera criada pela torcida do São Paulo em jogos no Ginásio do Morumbi. “Foi uma sensação muito boa. A atmosfera criada pela torcida no Morumbi foi muito importante e nos motivou demais nos jogos em casa”, comentou.

Nascido em 3 de Março de 1980, Ted Marcos Bento Simões, mais conhecido como Ted, deixa as quadras aos 39 anos, com passagens por Clube 22 de Agosto de Araraquara, Palmeiras, Flamengo, Assis, Mogi das Cruzes, Campo Mourão, Pinheiros, LSB e seu último clube o São Paulo Futebol Clube.

Foto: Ricardo Bufolin / Divulgação ECP

Confira o bate-papo do site SPFC 24 Horas com o agora ex-jogador Ted

Gostaria que você falasse um pouco sobre sua carreira até a chegada ao São Paulo na última temporada?
R: Comecei no basquete com 12 anos, no Centro olímpico do Ibirapuera e meu primeiro clube foi o Esporte Clube Pinheiros, em 1993. Desde então passei por diversas equipes, como Clube 22 de Agosto de Araraquara, Palmeiras, Flamengo, Assis, Mogi das Cruzes, entre outras. Minha última temporada antes do São Paulo foi no NBB 9 e depois dei uma pausa no basquete por quase 2 anos por conta do nascimento do meu filho.

Como foi para você poder disputar a Liga Ouro pelo São Paulo ? Ficou o gosto de quero mais com o vice-campeonato?
R: Foi muito bom vestir a camisa do São Paulo, o clube deu todo o suporte necessário e apesar de termos sido o último time a ser montado, conseguimos chegar longe no campeonato. O segundo lugar não era o que queríamos, o objetivo era sermos campeões, claro que fica o gosto de quero mais, mas do outro lado tinha uma grande equipe, com um grande projeto, que jogou melhor no jogo decisivo.

Qual foi a sensação de atuar no Morumbi, com a Torcida do São Paulo, que comprou a ideia e apoiou a equipe durante toda a competição?
R: Foi uma sensação muito boa. A atmosfera criada pela torcida no Morumbi foi muito importante e nos motivou demais nos jogos em casa.

Como foi a sensação de poder trabalhar com o técnico Cláudio Mortari?
R: Foi excelente. Já tinha trabalhado com ele em 2015 no Esporte Clube Pinheiros e já conhecia sua metodologia. Ele é um técnico que tem o time na mão, sabe comandar muito bem a equipe, cobrar e elogiar na hora certa.

Sobre a aposentadoria, já era algo que estava planejando, durante a temporada ou foi uma decisão após o término da competição?
R:Foi uma decisão amadurecida com o tempo. Já estava praticamente aposentado e tive uma pausa de 2 temporadas, mas em uma conversa com o Mortari e o Rossi, decidi disputar a Liga Ouro. Ao final da competição, avaliei junto à minha família e decidi pela aposentadoria, dessa vez definitiva.

E quanto ao futuro, o que tem planejado, seguir no basquete ?
R: No momento vou atuar na área de musculação, mas existe a possibilidade de trabalhar com basquete sim.

Qual a sua avaliação, sobre a sua última temporada?
R: Minha avaliação é muito positiva. Como já mencionei, vim de duas temporadas parado. Não foi fácil voltar, mas consegui participar de todos os treinos e jogos e sempre saí da quadra com a sensação de ter dado o meu máximo. O objetivo desde o começo era levar o São Paulo às finais e ver o Ginásio do Morumbi lotado. Não fomos campeões, mas foi uma colocação muito boa para o início de um projeto.

Qual o recado que você pode deixar para quem acompanhou sua carreira, e está triste com a sua aposentadoria?
R: Eu agradeço o apoio e a torcida de todos. Não é fácil deixar as quadras, mas foi uma decisão necessária e muito bem pensada. Com certeza é o momento de focar em novos projetos e estar mais perto da minha família. Sempre me entreguei e me doei 100% no basquete ao longo desses 25 anos, então tenho a consciência de que fiz o meu melhor por esse esporte.

Alex Bispo

29 anos, amante do futebol, brasileiro e internacional. Estudou Jornalismo na Universidade Guarulhos, e tem experiência em Web rádios, com passagens pela Rádio Show do Esporte, Esporte na Rede, Rádio Arena Esportes, Impacto 220 e Rádio Poliesportiva (Atual). Já foi colunista do site Bastidores da Informação, De bola, Futebol na Veia e SPFC MAIS.

Este post tem um comentário

  1. Sergio Aguilera

    QUE ORGULHO, FUI UM DOS AMIGOS DO TED NA ESCOLA E FOMOS JUNTOS FAZER TESTE NO CENTRO OLIMPICO DO IBIRAPUERA DOS 7 ATLETAS DA ESCOLA 6 PASSARAM NO TESTE E LÁ COMEÇOU A CARREIRA DO TED QUE CONTINUOU A SER O REPRESENTANTE DO NOSSO SONHO DE SER JOGADOR DE BASQUETE PROFISSIONAL. COMO EU FICAVA ORGULHOSO DE VER ELE JOGANDO NA TV , PARABÉNS MEU AMIGO TORÇO PARA UM DIA PODEMOS BATER UMA BOLA E OBRIGADO POR DE CERTA FORMA TER REALIZADO O NOSSO SONHO.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.